Algumas coisas não terminam, mas param por aqui.

27 04 2010

O Sol vai despertar daqui a pouco. E no silêncio do meu quarto sobram palavras embaralhadas por todos os cantos, elas revestem o chão, a cama, as paredes e o teto. Todas as letras, vírgulas, exclamações e interrogações abrem-se inteiramente à você. Todas, sem excessão, todas, tem como objetivo falído retratar o apreço imenso que o reservo.

Talvez você não entenda, mas meu menino, a única e mais preciosa lição que aprendi neste curto espaço de tempo em que nasci terreno, é que algumas coisas não servem o entendimento. E para algumas formas, somente o tempo as pode dar sentido, ou de verdade nem ele. No fundo eu sei que você não vai entender,como daqui pra frente não entederá muitas coisas em sua vida. E se eu pudesse lhe forçar a não buscar o entendimento para então viver de verdade eu o faria. Porquê entender é poupar-se muitas vezes do inevitável. Por isso chore, alegre-se e viva sem justificativa. É mais gostoso eu posso lhe assegurar.

Há dias atrás, sem buscar o entendimento nos jogamos um nos braços do outro, encontro de almas. E distante do que se possa achar, as almas se cruzam e não estão fadadas a viver muito tempo para serem felizes, ou mesmo, aproveitar o pouco que faz a vida mais doce. As almas se cruzam pelo tempo necessário. Se completam e jamais serão uma só após qualquer sentimento trocado entre elas. Posso afimar com certeza que eu não sou o mesmo e acredito que você também não depois do que trocamos.E o que nos ocorre serve para afirmar que algumas coisas não terminam, elas simplesmente param. Pelo simples fato de não carecerem de um desfecho ou um fim para serem especiais.

Eu te busquei sim, e você me encontrou. E de portas entre abertas, percebi que não estou pronto. Pelo simples motivo de não saber ao certo o que quero nesta minha saga infidável pelo amor a dois. O que derradeiramente me fez enxergar com a razão irraigada, que não posso lhe oferecer muito mais do que teve. Não sendo justo continuar, já que a história pende para um lado só.

Gostaria que soubesse que o que eu podia lhe dei, mas ao passar desta linha tênue que nos juntou, não há nada mais com que eu possa lhe contribuir. E também já não é mais de meu gosto saber aonde vai dar. Erro meu? Não sei. O tempo irá dizer, ele vinga e satisfaz as dúvidas. Mas já não posso mais lhe atentar a alma com as minhas incertezas. Sendo que hoje só sei que não posso co responder a mesma maneira e com a mesma intensidade. E por isso não posso lhe privar de viver o sabor de outros amores. Tornando-se hoje esta, a minha única certeza.

Não se equivoque, dizendo para si mesmo, que esta certeza só doi em você. Pois ela também dói em mim. Por isso guardemos o que foi bom, ignore o curto espaço de tempo no calendário, ele só conta o que é frio e não é bom. Sejamos aquele tempo de descoberta e de apreço um para o outro. Sem entendimento mínimo e limitrofe do que não pode e não deve ser jamais pautado e entendido. E para evitar que doa mais ainda, em mim ou em você futuramente. Eu não termino, mas paro por aqui.