Pequeno devaneio

31 08 2010

É noite por aqui. Venta , chove e faz frio. Você não está na minha casa, na minha cama, nem no portão, aos poucos também deixa de habitar os meus sonhos. Devaneios estes, que dedico exclusivamente a você e que tratam da vontade do seu corpo, seu beijo, seus sentimentos (que não consigo despertar) e o suor que não trocamos. Ainda assim te busco, te pago, te pego na puta que o pariu, e espero. Me canso, choro, entristeço, grito comigo mesmo e sem querer me atesto insano. Em pouco tempo me recomponho, me vejo nos olhos que não completamente meus, e sigo como se nada houvesse acontecido, inclusive a sua ausência cotidiana.